‘A sensação foi de alegria e alívio’, diz manauara após relembrar conquista do Flamengo pela Libertadores de 2019

Flamengo Manauara
Edielson Silva de Oliveira, 33, disse que encarou uma viagem de quatro dias para ver o Flamengo jogar a final da Libertadores
Por João Paulo Castro
Publicado em 23/11/20 às 14h37

Manaus – O Flamengo comemora nesta segunda-feira (23) um ano da conquista do bicampeonato pela Copa Libertadores da América de 2019. Na ocasião, o rubro-negro venceu o River Plate (ARG) em uma virada histórica nos minutos finais, no placar de 2×1, com gols de Gabigol, pelo Flamengo, e Borré, pelo time argentino.

A partida foi realizada em Lima, capital do Peru. Diversos brasileiros cruzaram a fronteira para acompanhar a tão esperada decisão que não vinha desde 1981, entre os espectadores estava o manauara Edielson Silva de Oliveira, de 33 anos.

Edielson contou ao Portal Tucumã que conseguiu viajar aos 45 do segundo tempo com ajuda de um amigo.

“Estava me planejando para ir ao Chile pois, inicialmente, a final da Libertadores iria acontecer lá. Mas houve a mudança para Lima, no Peru. Não tinha condições de ir, mas um amigo meu tinha ingresso sobrando. Comprei, fiz o cronograma da viagem e parti para a capital peruana”, relembra.

A viagem durou quatro dias, Edielson viajou de avião na madrugada do dia 19 de novembro para Porto Velho, capital de Rondônia. Na cidade vizinha, ele seguiu de ônibus com destino à Lima, ao lado de outros torcedores do Flamengo.

Tensão

O jogo entre Flamengo e River Plate foi transmitido em diversos canais de televisão, entre eles a Rede Globo, com a narração de Galvão Bueno, e comentários de Casagrande e Júnior.

A partida começou tensa, os comandados de Jorge Jesus não esconderam o nervosismo e ansiedade, afinal, o Flamengo não chegava em uma final de Libertadores desde 1981. Na arquibancada do Estádio Monumental, Edielson lembra de cada momento vivido ali.

“Foi uma mistura de ansiedade, nervosismo e emoção. Durante o jogo fiquei muito nervoso, mas confiante com a vitória do Flamengo”, disse.

Edielson em Lima, no Peru – Foto: Arquivo pessoal

Jorge Jesus fazia as substituições necessárias, mas o time não conseguia fazer o tão esperado gol. Bruno Henrique, Gabigol, Arrascaeta e os demais companheiros ficaram nervosos e apreensivos. Entretanto, o cenário iria mudar nos minutos finais.

Vitória

O atacante Borré abriu o placar nos minutos iniciais, jogando um balde de água fria em Gabigol e companhia. Apesar das inúmeras tentativas, o Flamengo não conseguia furar a defesa do River Plate.

Entretanto, quando o time está predestinado a ser campeão, nenhuma barreira consegue derrubar. Nos minutos finais, Bruno Henrique conseguiu se livrar da defesa, deu um passe minucioso para Arrascaeta, que cruzou para Gabigol para empatar a partida.

Até então ia para os pênaltis, mas o atacante rubro-negro estava inspirado. Diego Ribas deu um passe de longa distância, a defesa do River Plate se atrapalhou e Gabigol mandou para o fundo da rede, consagrando a vitória rubro-negra na Libertadores.

Comemoração do bicampeonato – Foto: Ricardo Moreira/Agência O Globo

Edielson relembra os momentos de êxtase com o gol de Gabigol. “A reação foi alegria e alívio. Todos nós estávamos chorando e se abraçando por saber que, depois daquele gol, não teria como o River Plata empatar e seríamos campeões”, falou.

O manauara chegou na capital amazonense quatro dias após a conquista do bicampeonato. Ele contou que o clima era de festa e se reuniu com alguns amigos para festejar a partida.

Questionado sobre o possível tricampeonato, Edielson acredita que o time possa conquistar mais um título com a chegada de Rogério Ceni.

Foto: Divulgação

Flamengo Manauara

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap