Bolsonaro volta a defender voto impresso e declara: “Democracia não tem preço”

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o voto impresso e afirmou que sempre ouviu que a “democracia não tem preço”
Bolsonaro volta a defender voto impresso e declara: “Democracia não tem preço”
Bolsonaro volta a defender voto impresso e declara: “Democracia não tem preço”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender o voto impresso nesta quinta-feira (17/6). Durante transmissão ao vivo nas redes sociais, ele afirmou que sempre ouviu que a “democracia não tem preço”.

O voto auditável é constantemente defendido pelo chefe do Executivo federal, que costuma lançar suspeitas de fraude em relação ao voto eletrônico.

“Eu sempre ouvi que a democracia não tem preço. A gente arranja dinheiro aqui. A gente fala lá com o Paulo Guedes e arranja dinheiro para as eleições do ano que vem. Nós queremos é transparência. Nós queremos, quando acabar as eleições, o nome que aparecer aí, que for divulgado, não interessa quem seja, que esse cara realmente foi eleito governador, presidente, [deputado] federal, senador…”, declarou Bolsonaro.

Segundo o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, a implementação do voto impresso no sistema eleitoral do país provocaria um gasto estimado em R$ 2 bilhões aos cofres públicos.

Recentemente, Barroso tem explicado que o custo corresponde à adaptação do TSE para aplicar a nova modalidade, que demanda equipamentos próprios e impressoras para cerca de 500 mil urnas.

Discussão na Câmara

Em maio deste ano, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), determinou a criação de uma comissão especial para discutir a PEC do voto impresso.

O colegiado terá 34 titulares e 34 suplentes e será responsável por analisar o mérito do texto. Se aprovado, segue para votação no plenário da Câmara.

Por se tratar de uma PEC, o texto precisa do aval de 308 deputados, em dois turnos de votação. Se aprovado, segue para análise dos senadores.

Com informações via Metrópoles

Leia também: Após PMs mortos, Bolsonaro critica Fachin: “Soltou 30 mil vagabundos”

MATERIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap