Festival de Parintins vira incerteza em meio a pandemia do coronavírus

O governador Wilson Lima afirmou que vai se reunir com o prefeito de Parintins, Bi Garcia, e os presidentes das agremiações para discutir sobre o assunto.
Publicado em 25/03/20 às 03h53
Por joao.castro

Fotos: João Paulo Castro e Wigder Frota

O Festival Folcórico de Parintins, maior manifestação cultural do Amazonas, pode ser adiado devido a pandemia do coronavírus (Covid-19). A informação foi levantada na tarde desta quarta-feira (25) pelo governador Wilson Lima durante uma coletiva online.

Wilson afirmou que esteve reunido com o prefeito de Parintins, Frank Bi Garcia, e os presidentes de Caprichoso e Garantido para debater sobre o assunto.

“Estamos vendo se adia pro final do ano, se cancela ou deixa para o ano que vem. O cenário é de que é impossível realizar o festival no final de junho. A gente não tem expectativa de que em junho a situação seja resolvida”.

A 55ª edição do festival está programada para acontecer nos dias 26, 27 e 28 de junho, no Bumbódromo. Durante a coletiva, Wilson Lima afirmou que a decisão final em torno do festival “vai sair ainda no mês de março”, podemos ser escolhido para outra data, final do ano ou até mesmo cancelar.

Apresentação do Boi Garantido. Foto: Wigder Frota

Devido a preparação antecipada do festival, Wilson acredita que não será possível realizar o festival diante da pandemia do coronavírus.

“Está inviável que o festival seja realizado no meio do ano, até porque começa a ser preparado um ano antes da festa. É preciso ter preparativos, contratações dos artistas e não teremos tempo hábil pra isso”, explicou.

Recentemente a organização do maior festival de São João no Brasil, realizado no mês de junho em Campina Grande, na Paraíba, foi adiado para acontecer de 09 de outubro a 08 de novembro.

Repercussão

A possibilidade do festival ser cancelado ou adiado gerou muitos comentários, principalmente nas redes sociais. O estudante Sasaki Silva afirmou que adiar o festival seja uma decisão sensata, mas torce para que uma cura para o coronavírus seja encontrada o mais rápido possível.

“O Festival de Parintins movimenta a cidade e principalmente sua economia, porém, neste momento, a pandemia vem assustando todo mundo. Então pelo bem da nossa saúde, acredito que a festa deva ser adiada sim”, disse.

Em contrapartida, a vigilante Hellen Medeiros afirmou que não deve ser adiado porque a população de Parintins tem sua principal renda econômica com a festa.

A imagem pode conter: área interna
Apresentação do Boi Caprichoso. Foto: João Paulo Castro

“A população vive da festa. Na minha opinião, essa gripe é como as outras que surgiram, uma hora vão achar a vacina pra prevenir. Todas as outras gripes várias pessoas também morreram e o mundo não parou a vida”, falou.

Óbito por coronavírus

Na última terça-feira (24) o Amazonas registrou a primeira morte por coronavírus. A vítima foi o empresário Geraldo Sávio da Silva, 49, natural de Oriximiná, no Pará, mas residia em Parintins.

Por João Paulo Castro

MATÉRIAS RELACIONADAS