“Fui chamado de preto imundo e macaco”, diz vendedor de salgado vítima de racismo em Parintins

O vendedor de salgados identificado como Jair de Souza foi alvo de racismo enquanto trabalhava nas ruas de Parintins, distante a 369 quilômetros de Manaus, na tarde do último sábado (16). Jair estava na companhia de sua filha quando, segundo ele, uma pessoa passou na rua lhe chamando de “preto imundo, vagabundo e macaco”. A […]
Por nr00xreg
Publicado em 17/11/19 às 09h58

O vendedor de salgados identificado como Jair de Souza foi alvo de racismo enquanto trabalhava nas ruas de Parintins, distante a 369 quilômetros de Manaus, na tarde do último sábado (16).

Jair estava na companhia de sua filha quando, segundo ele, uma pessoa passou na rua lhe chamando de “preto imundo, vagabundo e macaco”. A garotinha presenciou o fato e o semblante de tristeza tomou conta.

Ele trabalha por conta própria e montou um empreendimento chamado “Salgados do Jair”. Todos os dias acorda de madrugada para preparar os salgados e vender em seu humilde carrinho nas ruas da Ilha Tupinambarana. Segundo ele, seu trabalho tem dois objetivos: Cuidar de sua filha e sua avó.

O jovem postou o ataque racista em suas redes sociais, ele não disse o nome da pessoa que praticou o ato, mas afirmou que vai processá-la.

“O vagabundo aqui não precisa mentir para ter de comer todos os dias. O vagabundo aqui só veio a Parintins porque a minha avó pediu pra eu tomar conta da casa dela, pois me acha responsável e cuidadoso com as coisas”, desabafou Jair nas redes sociais.

Confira o post na íntegra

Trabalho de Jair

Da Redação

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link