Portal Tucumã
Copyright ©2022 Portal Tucumã.
Todos os direitos reservados.

11 de agosto, 2022

Grupo que assumiu autoria de ataque ao Porta nos Fundos já fez ação em universidade do Rio de Janeiro

Vídeo divulgado após ação na Unirio, em dezembro de 2018 – Reprodução

Rio – O mesmo grupo integralista que assumiu, em um vídeo divulgado nesta quarta-feira, a autoria sobre o ataque à sede do Porta dos Fundos, no Humaitá, na Zona Sul do Rio, já havia realizado uma ação no campus da Unirio, localizado na rua Voluntários da Pátria, em Botafogo.

Em dezembro do ano passado – após a polêmica ação judicial que mandou retirar bandeiras antifascistas de universidades públicas, alegando se tratar de campanha política contrária ao então candidato Jair Bolsonaro –, o grupo autointitulado “Comando de Insurgência Popular Nacionalista” retirou e queimou bandeiras antifascistas do campus da Unirio.

O campus abriga o Centro de Ciências Jurídicas e Políticas (CCJP), com os cursos de Direito, Ciências Políticas e Administração Pública, e fica localizado em região próxima à sede do Porta dos Fundos – atacada com coquetéis molotov na véspera do Natal deste ano.

Em ambos os vídeos, homens mascarados aparecem usando o símbolo do integralismo. O integralismo brasileiro foi um movimento nacionalista da década de 1930, com inspirações no fascismo italiano, que teve como destaque o político e escritor paulista Plínio Salgado (1895-1975).

A Frente Integralista Brasileira – que, segundo uma reportagem do jornal O Estado de São Paulo, tem pretensões eleitorais para 2020 e deve lançar candidatos, preferencialmente, pelo PRTB e pelo Patriota – emitiu uma nota se desvinculando do ataque à sede do Porta dos Fundos. “O grupo em questão é desconhecido pela FIB e não possuímos com ele qualquer relação”, afirmou.

Polícia Civil descarta relação entre ataques
Em uma coletiva de imprensa convocada na manhã desta quinta-feira, a Polícia Civil usou a nota divulgada pela Frente Integralista Brasileira para anular a hipótese de que haveria alguma relação entre os ataques na Unirio e à sede da Porta dos Fundos.

“Tudo indica que são pessoas diferentes. Nós não podemos fazer esse vínculo. Até porque o grupo que supostamente teria cometido, nega”, afirmou o subsecretário Operacional da Polícia Civil, Fabio Barucke, referindo-se à Frente Integralista Brasileira.

No entanto, se tratam de grupos diferentes. O ataque não foi reivindicado pela FIB, mas sim pelo Comando de Insurgência Popular Nacionalista.

Witzel repudia ataque
O governador do Rio, Wilson Witzel, repudiou o ataque à sede do Porta dos Fundos e “toda forma de violência ou intolerância”. Em agenda no Palácio Guanabara, o mandatário fluminense disse que o caminho correto para buscar a reparação de eventuais danos causados por um conteúdo é o Poder Judiciário, não a violência.

O Dia

MATERIAS RELACIONADAS