Guerra do tráfico entre CV e FDN deixa três mortos nos últimos 6 dias na Compensa

mortes compensa tráfico
Todas as vítimas morreram alvejadas com vários disparos de arma de fogo
Por João Paulo Castro
Publicado em 04/08/20 às 04h37

Manaus – O bairro Compensa, Zona Oeste da capital, voltou a ser palco da disputa entre as facções Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN) pelo controle do tráfico de drogas. Nos últimos seis dias, a polícia registrou três mortes em decorrência da guerra envolvendo os grupos criminosos.

O primeiro caso aconteceu no dia 29 de agosto. Um homem identificado como Antônio Felipe Carvalho de Freitas, de 23 anos, foi baleado na rua Prosperidade, no bairro Compensa, por volta das 18h.

Ele chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Joventina Dias. Apesar do socorro médico, ele não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade hospitalar.

Outro homem, que não teve o nome revelado pela polícia, também foi assassinado a tiros na rua Manaus, no bairro Compensa. Segundo testemunhas, pelo menos cinco tiros foram disparados contra a vítima. Ele não teve a identidade revelada. Ele não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local.

Os crimes aconteceram em intervalo de uma hora – Fotos: Divulgação

O último caso aconteceu na última segunda-feira (3). Deney Nunes Marinho, o ‘Mau mau’, de 38 anos, no rip rap do bairro Compensa 2, situado na rua do Comércio. Segundo a polícia, ele estava caminhando na via pública quando foi abordado por seis homens desconhecidos fortemente armados.

Deney tentou fugir, mas sem sucesso. Os suspeitos efetuaram diversos disparos contra a vítima e fugiram sem deixar nenhuma pista. Ele não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local.

“Eu sempre falei que a droga só leva para cadeia ou cemitério”, conta mãe adotiva de homem morto na Compensa 2
Deney já foi preso por roubo em Macapá (AP) – Foto: Divulgação

Atentado

Outra ocorrência voltou os olhos para o bairro Compensa. As irmãs Eduarda e Rayssa Santos, de 14 e 15 anos, respectivamente, ajudavam o pai em uma barraca de pastel no beco Joaquim Cardoso, rua Gilberto Mestrinho, quando ouviram tiros.

Ao correrem para se esconder, foram atingidas pelos disparos. Ambas deram entrada também no SPA Joventina Dias, uma delas com uma bala alojada no peito.

Após os primeiros cuidados, elas foram conduzidas para o Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, no Adrianópolis, zona Centro-Sul da capital amazonense. Até o momento não há informações sobre o estado de saúde delas.

’30 anos de prisão’

Um casal de idosos contou ao Portal Tucumã a rotina que os dois vivem em casa e, como sobrevivem com a ação das facções no bairro da Compensa.

Eles evitam saber do que acontece na região para sobreviver. Residentes no bairro há mais de 30 anos, eles não saem de casa a não ser que seja para resolver alguma situação.

“Tudo o que sei que acontece nesse lugar é porque chega na minha porta. Eu não vou atrás de nenhuma informação sobre assalto, morte e outros casos. Nem procuro ver no jornal, quanto menos eu souber, melhor para mim”, contou a idosa.

A Compensa é considerada um berço das respectivas facções – Foto: Jhonata Lobato/Portal Tucumã

A SSP-AM

O Portal Tucumã entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) solicitando um posicionamento a respeito da onda de violência na área da Compensa.

Até o fechamento dessa reportagem, não tivemos nenhum retorno, mas o espaço está aberto para esclarecimentos.

Foto: Divulgação

mortes compensa tráfico

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap