quarta-feira, 17 de agosto de 2022

Índios Yekuana e Yanomami denunciam ameaça de garimpeiros em Roraima e no Amazonas

Líderes indígenas das etnias Yekuana e Yanomami divulgaram uma carta aberta denunciando a presença de garimpeiros ilegais e as constantes ameaças feitas pelo respectivo grupo, apontando para um possível massacre contra os índios.

A carta aponta que as ameaças acontecem dentro de reservas indígenas localizadas no Amazonas e em Roraima.

O texto foi elaborado durante uma reunião realizada em Demini, no Estado de Roraima. Ele foi lido pela deputada federal Joênia Wapichana (Rede – RR) durante uma audiência pública realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília, na última terça-feira (26).

No encontro, índios se posicionaram para escrever a expressão “Fora garimpo” — Foto: Victor Moryama/ISA/Divulgação

Os líderes cobram do governo de Roraima a retirada dos garimpeiros da região pois, segundo eles, o grupo estaria provocando inúmeros malefícios contra os índios, de violência sexual até consumo de drogas e bebidas alcoólicas.

Manifestação

No início de novembro um grupo de garimpeiros fizeram uma manifestação, chegando a construírem um bloqueio na rodovia federal BR – 174. Os protestos aconteceram por quatro dias.

A motivação do protesto seria devido ao desmonte de garimpos que funcionavam de forma irregular em Roraima durante as ações da Operação Walopali-Curare XI.

Foto: Reprodução/Rede Amazônica RR

Eles também cobraram a regularização das atividades mineradoras nos territórios indígenas. O projeto está em fase de estudo pelo Governo Federal, mas até o momento, os garimpeiros não obtiveram resposta sobre a pauta por conta da pressão dos índios.

Clamor dos indígenas

Além de denunciarem as ameaças dos garimpeiros ilegais, os indígenas também clamam que a riqueza da floresta seja preservada para que as novas gerações possam ter uma vida melhor.

As nossas riquezas são os nossos conhecimentos tradicionais, a nossa saúde, nossos rios limpos e nossas crianças crescendo felizes. Os garimpeiros estão destruindo a nossa riqueza (…) Essa é a mensagem de todos os Yanomami e Ye’kwana juntos para todo o planeta”, diz a carta.

Luta

O pajé Yanomami, Davi Kopenawa, considerado um dos maiores líderes indígenas do Brasil, vem relatando as atividades ilegais do garimpo desde os anos 80 para a Organização das Nações Unidas (ONU) quando a região sofreu uma grande invasão por parte de garimpeiros.

Líder indígena Davi Kopenawa. Foto: Survival International

De acordo com ele, a tribo vem consumindo água contaminada pelas atividades executadas pelo garimpo.

A causa serviu de inspiração para que Davi Kopenawa escrevesse o livro “A Queda do Céu”, no qual ele conta, na cosmologia Yanomami, como a mineração vem afetando a rotina dos índios.

Massacre de Haximu

Em 1993 um grupo de índios da etnia Yanomami morreram durante um conflito com garimpeiros na fronteira de Roraima com a Venezuela. Ao todo, 12 indígenas foram mortos.

O episódio foi mencionado na carta e os índios temem que a situação possa se repetir.

Nossos avós e tios morreram por causa dos garimpeiros. Nós não queremos repetir essa história de massacre”, afirmam.

Consequências do Massacre de Haximu. Foto: Divulgação

Da Redação com informações do G1

Tags:
Compartilhar Post:
Veja Também