Israel: não vacinados estão proibidos de entrar em sinagogas

Os israelenses que recusarem a vacina Covid-19 em breve serão impedidos de entrar em qualquer local público interno com mais de 100 pessoas, inclusive sinagogas
Israel: não vacinados estão proibidos de entrar em sinagogas
Israel: não vacinados estão proibidos de entrar em sinagogas

Os israelenses que recusarem a vacina Covid-19 em breve serão impedidos de entrar em qualquer local público interno ou externo com capacidade para 100 ou mais pessoas, incluindo sinagogas, anunciou o primeiro-ministro de Israel Naftali Bennett.

Aqueles que se recusam a ser vacinados “estão minando os esforços de todos nós”, anunciou Bennett na quinta-feira, enquanto o número de novos casos de coronavírus em Israel continuava a aumentar. Se todos tomarem a vacina, a vida pode voltar ao normal, mas se um milhão de pessoas se recusar, os outros oito milhões terão de enfrentar confinamentos, disse ele.

“Chega um momento em que essa discussão tem que parar”, disse Bennett à nação. “A ciência é clara: as vacinas funcionam, são eficazes, são seguras.

A partir de 8 de agosto, Bennett anunciou, qualquer pessoa que se recusar a ser vacinada não será mais permitida em qualquer local “acima de 100 pessoas, tanto internas quanto externas” – incluindo teatros, eventos esportivos e templos religiosos. Para entrar, as pessoas terão que apresentar comprovante de vacinação, comprovante de Covid-19 e recuperação, ou teste negativo, obtido por conta própria. 

Israel tem usado a vacina contra coronavírus de mRNA da Pfizer-BioNTech. Na quinta-feira (22), o Ministério da Saúde em Tel Aviv disse que sua eficácia na prevenção de infecções e sintomas leves diminuiu para apenas 40%, com base em dados coletados no mês passado, conforme a variante Delta se espalhou.

Duas semanas atrás, o Ministério da Saúde havia afirmado que a eficácia da vacina contra doenças sintomáticas era de 64% e contra doenças graves em 93%, de acordo com o jornal Haaretz .

No entanto, alguns especialistas em saúde que consultam o ministério alertaram que os dados podem ser muito “distorcidos” porque os estudos foram conduzidos em locais críticos e entre os idosos, ao invés de jovens e vacinados.

Bennett, chefe do partido de direita Yamina, está servindo como primeiro ministro alternativo em parceria com Yair Lapid, do partido centrista Yesh Atid. No mês passado, sua coalizão conseguiu reunir votos suficientes no Knesset para encerrar o reinado de 12 anos de Benjamin Netanyahu, do Likud. 

Leia também: Netflix aumenta preço da assinatura no Brasil; saiba quanto vai ficar

MATERIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap