Portal Tucumã
Copyright ©2022 Portal Tucumã.
Todos os direitos reservados.

10 de agosto, 2022

Justiça ordena UEA promover professor e pagar valores atrasados

Limite de despesa com pessoal não justifica o não cumprimento de direitos do servidor previstos em lei
(Foto: TJAM/Divulgação)

Manaus (AM) – A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas manteve sentença de 1.º Grau em que condena a Universidade Estadual do Amazonas (UEA) a proceder a expedição e publicação de atos de promoção de professor concursado, promovendo-o de professor assistente nível A para nível B, a contar de 28/05/2017, de professor assistente B para C. Na sentença, a juíza Etelvina Lobo Braga ordenou a implementação do salário o respectivo salário, e, ainda, a promover o autor de professor assistente nível C para professor adjunto A e, por conseguinte, o pagamento imediato dos valores atrasados relativos às promoções, com as correções descritas.

A decisão do colegiado foi unânime, na sessão desta segunda-feira (25), no processo n.º 0600095-58.2021.8.04.0001, de relatoria do desembargador Elci Simões de Oliveira.

Conforme a ação inicial, o docente tomou posse no cargo de professor assistente nível A do curso de Enfermagem da Escola Superior de Ciências da Saúde em 28/05/2014 e, após três anos de efetivo exercício, deveria ter se tornado estável e ser promovido horizontalmente para o nível B, o que não ocorreu. E passados dois anos da primeira promoção horizontal o autor deveria ter sido promovido novamente de nível em 28/05/2019, passando de professor assistente nível B para C, o que não ocorreu.

Além disso, em 18/12/2020 o professor obteve título de doutor, o que lhe daria direito a promoção vertical com a progressão na carreira para professor adjunto nível A, e mesmo preenchendo os requisitos não obteve a promoção até iniciar o processo judicial. O autor ainda informou que a Universidade deixou de pagar a remuneração justa e atualizada, conforme a Lei n.º 4.601/2014.

Na decisão, a juíza Etelvina Lobo Braga, da 3.ª Vara da Fazenda Pública afirmou ser “incontroverso que o autor preencheu os requisitos tanto para o reconhecimento da estabilidade quanto para as promoções, pois a Universidade reconheceu que preenche os requisitos para atingir a estabilidade e promoções requeridas na Inicial a partir de 28/05/2017, apresentando como obstáculo para promoção tão somente o argumento de vedação contida na Lei de Responsabilidade Fiscal em decorrência da ultrapassagem do limite prudencial de despesas com pessoal pelo Poder Público”.

A magistrada observou que o limite de despesa com pessoal não pode servir de justificativa para o não cumprimento de direitos do servidor assegurados por lei, citando jurisprudência sobre o tema do próprio TJAM e do Superior Tribunal de Justiça: “É pacífico o entendimento no Superior Tribunal de Justiça, segundo o qual os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, em especial aqueles relacionados às despesas com pessoal no âmbito do serviço público, não podem ser opostos pela Administração para justificar o descumprimento dos direitos subjetivos dos servidores”.

Leia Mais:

MATERIAS RELACIONADAS