Manaus, 5 de agosto de 2020

Marcos Rotta diz que Arthur Neto não tem interesse em gerenciar Manaus

Marcos Rotta e Arthur Neto
"O que o Arthur faz hoje é se limitar a ir visitar uma obra, tirar uma foto, entrar no carro e ir embora", afirma Rotta.
Por Edilânea Souza
Publicado em 10/03/20 às 10h25

O vice-prefeito de Manaus, Marcos Rotta (DEM), falou na semana passada, que o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, não que mais saber de gerenciar os problemas da cidade. A fala de Rotta foi durante uma entrevista a um Portal de notícias de Manaus.

De acordo com Rotta, o prefeito quer viver apenas de sua história na vida pública. “O Arthur chegou num ponto da vida dele que ele não quer mais discutir ônibus, não que discutir passarela, merenda escolar, não que ver iluminação pública, não quer ver drenagem, o que o Arthur faz hoje é se limitar a ir visitar uma obra, tirar uma foto, entrar no carro e ir embora. Então hoje, ele vive mais dos 40 anos de vida pública dele do que verdadeiramente da posição dele como prefeito”, afirma Rotta.

Durante a entrevista, o vice-prefeito também falou que a primeira-dama, Elizabeth Valeiko, exerce grande influência nas decisões da Prefeitura de Manaus e que gosta de estar no poder. “Eu sou testemunha que muitas reuniões foram feitas onde ela dava inclusive soluções, muitas vezes mirabolantes. Só que hoje muitos secretários não dialogam mais com o prefeito, não vão mais levar as demandas ao prefeito, só despacham com a primeira-dama.

Marcos Rotta diz que os resultados são desastrosos com esse formato de gestão, em que primeira-dama exerce o papel de gestora na administração municipal. “Então o resultado está aí, e as coisas não avançam, embora ela tem um pouco de boa vontade, e mais talvez de querer estar no poder, não é do ramo, não foi talhada a isso, e acabou ocupando espaço que o prefeito não ocupa”, diz Rotta.

Outro tópico destacado por Rotta foi a visita de Arthur Neto ao Monte Horebe no ano passado. Rotta diz não concordar com a atitude do prefeito em relação a promessa feita aos moradores da invasão na época. “Veja o que ele fez no Monte Horebe. Ele foi no Monte Horebe e garantiu que ninguém ia sairia de lá, e que a prefeitura criar toda a infraestrutura do Monte Horebe. Alguém de sã consciência deveria ter orientado o prefeito, primeiro que ele nem deveria ter ido lá”, pontuou Marcos.

Relações cortadas

Marcos Rotta e Arthur Neto cortaram relações desde 2018, quando supostamente Rotta receberia o apoio do prefeito para participar das eleições para o governo tampão no Amazonas. “Faz mais de um ano que não converso com o prefeito. O nosso problema aconteceu em 2018 quando ele me chamou, eu era secretário de infraestrutura e disse que vamos precisar que você saia e se descompatibilize da Seminf porque eu gostaria que você fosse nosso candidato ao governo, na época o governo tampão. Muitas vezes ele me adubava, se prepare fulano não tem condições de se eleger, o ciclano tá muito velho, o outro não tem preparo. Aquilo veio me fazendo acreditar na possibilidade de realmente ser candidato a prefeito”, disse o vice-prefeito.

Golpe

Marcos Rotta disse que foi surpreendido com uma notícia do apoio de Arthur Neto a Omar Aziz. “Alguém me mandou um print, acho que no Facebook do prefeito, apoiando candidatura do Omar. Vejo que não teria problema nenhum se desde o início tivesse chegado a mim e disse estou pensando em lançar um candidato, teria todo meu apoio, estamos juntos nessa embarcação, Fiquei muito chateado com a forma como as coisas desenrolaram. Fiquei decepcionado, porque eu não contribui para chegar a essa situação”, comenta.

Crateras na cidade

Avaliando a infraestrutura da cidade, Marcos Rotta disse que é muito péssima. “Péssima está a infraestrutura da cidade. Nós estamos acompanhando aqui uma evolução com relação das principais vias e ruas, isso melhorou de forma considerável, mas eu ando pelos bairros da cidade de Manaus, que não estão recebendo nem serviços de tapa-buraco. Muitos bairros existem crateras a céu aberto. A periferia de Manaus carece de uma operação urgente, de pelo menos de tapa-buraco.

Ônibus precários

Perguntado sobre a frota de ônibus da cidade de Manaus, o vice-prefeito disse que estão precários e que quem comandava o sistema anteriormente, eram os empresários e o Sinetram, e que a intervenção realizada no ano passado não deu em nada.

“Estão recebendo milhões e milhões de reais por parte da prefeitura para subsídios e as empresas que não respeitam os usuários, não respeitam os horários, tem ônibus que chove mais dentro do que fora, tem ônibus pegando fogo, tem ônibus rodando com pneus carecas. Quem mandava até meses atrás, eram os empresários, era o Sinetram. Agora num passo de mágica houve uma intervenção que até hoje não surtiu uma vírgula de efeito”, frisou Marcos Rotta.

Rotta disse ainda que essa relação entre a prefeitura e empresas de ônibus é “muito promíscua” e que a prefeitura vem nutrindo há anos esse sistema com repasse de verba pública para subsídios. “É uma relação muito promíscua com os empresários de ônibus. Primeiro que eu não daria nenhum centavo como a prefeitura vem dando há muitos anos dinheiro público para os empresários de ônibus. Todos os anos o saldo das empresas é devedor e nenhuma delas deixam a cidade de Manaus”, disse.

Marcos Rotta e Arthur Neto

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap