‘Não precisa ‘inventar a roda’ é só investir no que dar certo’, diz Rodrigo Guedes

Rodrigo Guedes
Confira a entrevista com Rodrigo Guedes, pré-candidato a vereador nas eleições municipais deste ano
Por Edilânea Souza
Publicado em 31/07/20 às 03h58

“Não precisa ‘inventar a roda’ é só investir no que dar certo”. A frase foi dita pelo pré-candidato a vereador de Manaus e ex-secretário municipal do Procon (Semdec), Rodrigo Guedes (PSC), sobre a retirada d o status de Secretaria Municipal de Esporte, Juventude e Lazer (Semjel) para subsecretaria da pasta da Cidadania (Semasc).

“Eu respeito a autonomia do prefeito Arthur Neto, mas acho que foi um erro a extinção da Semjel, porque nesse momento, principalmente na pandemia do coronavírus, as pessoas precisam de Saúde, física e mental. Se a gente desenvolve uma política pública de Esporte, Juventude e Lazer, na cidade de Manaus, política adequada, nos mais de 200 centros esportivos de Manaus, a gente está proporcionando qualidade de vida às pessoas. Eu acho que alçar a Semjel ao status de uma subsecretaria não condiz com a importância do esporte”, disse Guedes.

O debate aconteceu no programa Resenha Política, do Portal Tucumã, na tarde desta sexta-feira (31) e teve a participação dos cientistas políticos, Afrânio Soares e Helso Ribeiro. Durante a rodada de conversa foram discutido temas, como: Esporte, Direito do Consumidor, Eleições 2020, troca partidária e fez uma análise sobre o cenário político local e nacional.

Ainda sobre a questão do esporte em Manaus, Guedes também falou que não precisa se extinguir uma secretaria para reduzir gastos e que há outras formas para isso. “Se você corta a metade das propagandas você pode manter a secretaria e o impulsionamento dos nossos 200 CEL’S, os professores, materiais esportivos para às comunidades, investir no esporte de base e comunitário. Tem outras coisas que podem ser cortadas, como os cargos comissionados”, enfatizou Rodrigo Guedes.

Outra pontuação de Rodrigo Guedes é quanto a utilização da Semjel para fins políticos. “Mesmo ela existindo (Semjel) estava sendo utilizada de forma errada, sendo ‘loteada’ para fins políticos. Ela não estava nas mãos de pessoas entendedoras do Esporte nem de gestores, respeito quem estava lá, mas ela estava sendo entregue a partidos políticos, a denominações religiosas. O nosso Esporte aqui na cidade de Manaus já estava há alguns anos aquém do que pode ser e do que deve ser, para a importância dessa política pública, que é o Esporte, Juventude e Lazer e que salva vidas acima de tudo”, afirmou Guedes no debate.

Rodrigo Guedes disse que é necessário mais que investimento no Esporte, mas a volta de projetos sociais que incentivam os jovens à pratica esportista. “Eu acredito que a gente começou a falar em um dos pontos,política pública de Esporte, Juventude e Lazer, que envolvam Cultura, profissionalização e capacitação, empregabilidade, estágio para jovens do nível médio, e políticas como o Programa ‘Galera Nota 10′”, lembrou Rodrigo Guedes, sobre o projeto que era de responsabilidade da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas, em 2002.

Incentivo

Para Rodrigo Guedes o Esporte só vai avançar quando os investimentos começarem a alcançar o esporte comunitário, de base e nos projetos sociais nas comunidades. “Tem muitas crianças que vão para esses projetos com fome e sem material esportivo. Investir no que estar dando certo”, ressaltou.

Avaliação

No quadro que avalia nomes políticos, Rodrigo Guedes avaliou com a nota máxima três (3), com quem o entrevistado tem afinidades ou poderia fazer parcerias políticas, o deputado federal Capitão Alberto Neto (Republicanos), a ex-titular da Sejusc Caroline Braz (PSC), o vereador Chico Preto (DC), a ex-titular da Semasc Conceição Sampaio (PSDB), o ex´titular da Suframa Coronel Menezes (Patriota), o ex-deputado estadual David Almeida (Avante) e o empresário Romero Reis (Novo), o vice-governador do Amazonas Carlos Alberto Almeida (PTB), e os nomes políticos nacionais do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro e o presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido).

O ex-governador Amazonino Mendes (Podemos), o prefeito de Manaus Arthur Neto (PSDB), o ex-deputado federal Hissa Abrahão (PDT), o deputado federal José Ricardo (PT), o deputado estadual Josué Neto (PRTB), o deputado federal Marcelo Ramos (PL), o vice-prefeito de Manaus Marcos Rotta, o deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD), a ex-senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) e o governador do Amazonas Wilson Lima (PSC), tiveram avaliação com a nota média dois (2), com quem Guedes cogitaria uma parceria política.

Já com a nota uns (1), a menor da escala e com quem Rodrigues Guedes não tem afinidades políticas apareceram os nomes dos senadores do Amazonas Eduardo Braga (MDB) e Omar Aziz (psd).

STF

Os nomes dos ministros do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffolli e Gilmar Mendes foram citados no quadro de avaliação e tiveram nota zero (0). Rodrigo disse que é uma das “piores” representação dentro do STF.

Trajetória

Rodrigo Guedes tem 34 anos é empresário. Graduado em Direito e Pós-Graduado em Administração Pública, pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). No momento, Rodrigo é Pós-graduando em Direito do Consumidor pelo Instituto Damásio de Jesus.

Na vida pública já atuou como secretário municipal de Defesa do Consumidor, Ouvidor-Geral do município de Manaus, coordenador do Procon Manaus, subsecretário municipal de Juventude e tesoureiro nacional dos Procons Brasil.

Assista na íntegra a entrevista com Rodrigo Guedes

Confira mais entrevistas do Resenha Política:

Leia mais: Festival de Parintins: Orsine Junior, se diz contrário à realização do evento

Rodrigo Guedes

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link