Política Pública falha em acessibilidade para pessoa com deficiência em Manaus

O professor Joaquim Filho, 61, técnico de paratletas de natação e atletismo, fala que os alunos têm dificuldades à acessibilidade e reclamam das políticas públicas.
Por Alessandra Aline Martins
Publicado em 16/07/20 às 09h48

Manaus– A falta de planejamentos das políticas públicas para a acessibilidade da pessoa com deficiência física em Manaus é um dos principais problemas enfrentados por quem mais precisa dessas adaptações para sobreviver e se sentir em um ambiente mais igualitário na sociedade.

O professor Joaquim Filho, 61, técnico de paratletas de natação e atletismo, fala que os alunos têm dificuldades à acessibilidade e reclamam das políticas públicas.

“Meus alunos reclamam sobre as ruas que não têm o nivelamento que precisa ter. As vezes tem ladeira, buracos que não têm tampas, escadas e avenidas sem sinalização para a pessoa com deficiência de visão. A maioria dos semáforos não tem sonorização, o tempo de atravessar as ruas são 15 ou 20 segundos, então a pessoa tem que ser um atleta para atravessar. Quando a pessoa não sai sozinho, é menos a reclamação, mas quando sai sozinho é diferente. Precisa de mais políticas públicas, prefeitos e vereadores se renovam, mas as ruas ficam sempre as mesmas, os transportes são difíceis”, disse o professor.

Para o educador físico da Associação de Deficientes e Amigos Jungle Runner (Adajr) , Alan Dangelo, 47, Manaus não está planejada para a pessoa com deficiência física. ” As ruas não estão revitalizadas com acessibilidade, os transportes não estão planejandos para pessoa com deficiência, as  calçadas não têm rampas de acessos para que eles possam subir sozinhos. Continuamente, é preciso pedir ajuda de pessoas para deslocar ou levantar a cadeira para as calçadas. Precisa de mais políticas públicas voltadas para a inclusão”, ressalta o educador.

A dona de casa Jussara Melo explica que existe pouca acessibilidade na cidade e enfrenta dificuldades diariamente com o filho Lucas, de 20 anos. ” Os ônibus não têm rampa de acesso, na maioria das vezes não está funcionando, poucos motoristas ajudam e as ruas não existe acessibilidade”, desabafa.

Deixam a desejar

O Presidente da Comissão dos Direitos Humanos na Assembleia Legislativa do Amazonas  (ALE-AM),  deputado estadual  Dermilson Chagas (Podemos), destaca que a lei da acessibilidade deve ser cumprida, porém deixam a desejar, porque as ruas não estão preparadas para quem é cadeirantes.

“Os órgãos públicos não estão preparados para cadeirantes,  os bancos, supermercados, são vários estabelecimentos que devem ter acessibilidade e não têm. Infelizmente, se consegue uma blitz ou não no município, fugindo dessas regras que dar o direito às pessoas de ir e vir. As ruas não têm calçadas, rampas e nem elevadores para transportar cadeirantes. Falta uma política de concientização, para mostrar a importância. Falta muito para o Estado”, disse.

Outro lado

O Portal Tucumã entrou em contato com a Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), para saber  como a gestão tem trabalhado a respeito de acessibilidade para pessoa com deficiência física, mas até o fechamento do material não houve resposta.

Foto: Divulgação

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap