Revolta começa em frente a Capitólio em Washington após vice-presidente trair Trump

Multidões de manifestantes em estado de revolta marcharam para o Capitólio dos EUA para enfrentar a decisão no Congresso.
Por Henrique De Mesquita
Publicado em 06/01/21 às 15h35
Revolta começa em frente a Capitólio em Washington após vice-presidente trair Trump
Revolta começa em frente a Capitólio em Washington após vice-presidente trair Trump

WASHINGTON – Em carta enviada ao Congresso nesta quarta-feira (6), o vice-presidente dos Estados Unidos e presidente do Senado, Mike Pence, afirmou que não tem autoridade para determinar quais votos eleitorais devem ser contados ou não. A ação legitimou a posse de Joe Biden e causou revolta aos norte americanos que votaram em Donald Trump e que alegavam fraude nas eleições.

“Meu juramento de apoiar e defender a Constituição me impede de reivindicar autoridade unilateral para determinar quais votos eleitorais devem ser contados e quais não devem”, escreve Pence.

Pence afirmou que agiria como manda a Constituição, leu  os votos do Arizona conforme a certificação, acatou a objeção de republicanos e interrompeu imediatamente a contagem para que a Casa e o Senado debatam e votem por duas horas.

O presidente Donald Trump, discursou nesta quarta-feira (6) a apoiadores que se reuniram ao lado de fora da Casa Branca, em Washington durante a “Marcha para salvar a América”.

Durante grande parte de sua fala, Trump atribuiu ao vice-presidente Mike Pence a responsabilidade de não certificar os votos eleitorais em estados onde há evidências de fraude.

“Espero que Mike Pence faça a coisa certa”, disse. “Se ele fizer a coisa certa, venceremos as eleições”.

Pence, na qualidade de vice-presidente, atua como presidente do Senado. Alguns especialistas jurídicos disseram não acreditar que Pence – ou qualquer outro vice-presidente – tenha poder de não certificar os votos do colégio eleitoral durante a Sessão Conjunta do Congresso e classificam seu papel como meramente “cerimonial”.

Revolta no Capitólio em Washington

Pouco depois que o presidente Trump se dirigiu a seus apoiadores, jurando “nunca conceder” a eleição em um discurso no Ellipse, grandes multidões de manifestantes em estado de revolta marcharam para o Capitólio dos EUA para enfrentar a Polícia do Capitólio.

Os manifestantes romperam várias barreiras colocadas nas escadarias do Capitólio, enquanto a certificação dos votos do Colégio Eleitoral começou lá dentro.

Lá fora, os manifestantes podiam ser ouvidos gritando “EUA, EUA!” e “Esta é a nossa casa”, pois eles rapidamente começaram a remover as barreiras de metal para manter o espaço entre a polícia e a multidão. Oficiais da Polícia do Capitólio em equipamento anti-motim se moveram para a frente da multidão para segurar a linha.

Imagens de vídeo mostram policiais usando spray de pimenta depois que a multidão começou a atacar os policiais e se mover em direção aos degraus do Capitólio. A cena aumentou quando alguns manifestantes fizeram contato físico com os policiais e a polícia respondeu com ações físicas.

As multidões romperam as barricadas da polícia, ultrapassando as forças policiais nas escadas do Capitólio, tentando invadir o Congresso.

A Polícia do Capitólio ordenou a evacuação de dois edifícios do campus do Capitólio – a Biblioteca do Congresso James Madison Memorial Building e o Cannon House Office Building.

A certificação do Colégio Eleitoral dentro do Capitólio foi rapidamente interrompida com a objeção do Rep. Paul Gosar (R-AZ).

No final de seu discurso, o presidente Trump disse que estava indo para o Capitólio, mas os relatórios oficiais o colocam de volta à Casa Branca.

Com informações via Terça-Livre / wusa9
Foto:
Divulgação

Leia também: Parlamentares americanos pedem a Mike Pence que suspenda sessão do congresso

Revolta começa em frente a Capitólio em Washington após vice-presidente trair Trump

veja mais

veja mais

Copy link
Powered by Social Snap