Robô verifica temperatura e uso de máscara na Bélgica

O robô foi produzido pela empresa belga Zoraboots.
Por João Paulo Castro
Publicado em 30/05/20 às 03h35

Foto: Kenzo Tribouillard

Quando os pacientes belgas que temem ter sido contaminados pelo coronavírus comparecem ao hospital universitário da cidade da Antuérpia, o primeiro rosto que observam não é o de uma enfermeira de máscara, e sim o de um robô.

O aparelho, construído pela empresa belga Zorabots, saúda os recém-chegados e lê os dados do paciente proporcionados por um questionário preenchido pelo potencial enfermo.

O robô mede a temperatura da pessoa e assegura que ela usa a máscara de maneira correta, antes de avaliar a probabilidade e a gravidade da infecção, com o envio para o local apropriado da clínica.

O processo não é um diagnóstico, mas uma etapa útil que reduz os contatos da equipe médica com pacientes potencialmente infectados antes de serem internados no hospital.

“Se o paciente tem uma temperatura elevada ou não usa a máscara corretamente, na tela aparece a mensagem: ‘você tem um problema, não pode entrar diretamente no hospital'”, explica o médico Michael Vanmechelen.

“Então, a pessoa deve ser examinada. O robô nunca trabalha sozinho, sempre atua em apoio a um funcionário do hospital”, completou.

No período de progressivo retorno à normalidade, após um longo confinamento da população, “muitas pessoas deverão ser submetidas a testes”, disse Fabrice Goffin, um dos diretores da Zorabots.

Com mais de 9.000 mortes, a Bélgica tem uma das taxas de letalidade mais elevadas do mundo por número de habitantes.

Mas o número deve ser examinado com cautela porque a Bélgica inclui em seu balanço casos não confirmados com teste, apenas suspeitos, quando uma pessoa morre em uma casa de repouso na qual foram detectados casos de coronavírus.

Por AFP

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link