Portal Tucumã
Copyright ©2022 Portal Tucumã.
Todos os direitos reservados.

11 de agosto, 2022

Secretário de Arthur diz que decreto autoriza segurança pessoal de Alejandro Valeiko

Durante as prestações de esclarecimentos na Câmara Municipal de Manaus (CMM), nesta quarta-feira (9), sobre o uso de servidores da Prefeitura e de um carro na morte do engenheiro Flávio Rodrigues, o procurador-geral do Município, Rafael Albuquerque, afirmou que existe um Decreto Municipal que autoriza o uso de segurança particular para o Chefe do Executivo municipal e seus parentes.

Nesse contexto, o procurador tenta esclarecer a segurança particular direcionada para o enteado do prefeito de Manaus, Alejandro Valeiko. “Há um decreto municipal que legitima, uma segurança pessoal, um acompanhamento de segurança, para a pessoa do prefeito, para a pessoa do vice-prefeito e para suas respectivas famílias. Isso é uma questão de segurança institucional que acontece no município de Manaus e em outras esferas de instituições de poder do Estado brasileiro”, disse o procurador.

Rafael Albuquerque explicou que a evidência está legitimada no Decreto 2572 de 22 de outubro de 2013. “Cujo artigo 2º do inciso primeiro, diz que a Casa Militar tem como finalidade, planejar, coordenar e as ações de segurança pessoal do prefeito, vice e respectivas famílias. Então, é necessário que qualquer situação envolvendo esses servidores ou bens dessa pasta nesse episódio (envolvendo a morte do engenheiro Flávio), existe no âmbito de Manaus uma legislação que preconiza a segurança pessoal”, disse Rafael.

Medidas

Sobre as providências tomadas em relação ao caso envolvendo a morte do engenheiro Flávio, o procurador-geral afirmou que existe duas sindicâncias instauradas pela Prefeitura para apurar as circunstâncias do envolvimento de um servidor público no evento e outra para apurar a utilização do veículo, cujo o uso estava direcionado para o município de Manaus.

Sobre os questionamentos dos vereadores de os servidores da prefeitura estarem fazendo a segurança do enteado do prefeito no período da noite, o secretário Luiz Alberto Carijó disse que seja qual for a segurança, de um governador, prefeito ou qualquer membro do judiciário, funciona no momento que for necessária.

“Ela funciona por ronda, por turno, por demanda ou por um artigo próprio de segurança de checar”, ressaltou o secretário.

O vereador Chico Preto (PMN) disse que as pessoas comuns chamam a polícia em crimes similares a morte do engenheiro. “Me pergunto sobre o motivo de a Casa Militar ter sido chamada antes da polícia, se existia ciência que um crime havia acontecido aí. A segurança particular do prefeito não pode interferir na cena do crime. Dando a entender que a estrutura da Prefeitura foi utilizada para criar obstáculos para a apuração da verdade”, indagou o parlamentar.

Caso Flávio

Flávio Rodrigues foi encontrado morto em uma estrada de barro no Tarumã na segunda-feira (30). O engenheiro havia participado de uma festa na casa do filho da primeira-dama do município, Elizabeth Valeiko, horas antes de ser encontrado morto.

Por Henderson Martins

MATERIAS RELACIONADAS