segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Venezuelana é morta a facadas dentro de kitnet na zona Leste de Manaus

Segundo a polícia, houve lutar corporal entre Yeimy e o autor do crime
Yeimy Yenileth Vargas Rodríguez. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Manaus (AM) – A venezuelana Yeimy Yenileth Vargas Rodríguez, de 27 anos, foi assassinada a facadas na tarde dessa terça-feira (5), dentro da kitnet onde residia, no Beco Asa Branca, no bairro Mauazinho, zona Leste de Manaus.

Conforme os policiais militares da 29ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), vizinhos encontraram a vítima já sem vida, por volta de 13h30, após escutaram barulhos de briga vindos da kitnet.

O corpo da venezuelana foi encontrado por vizinhos que chamaram a polícia e o marido dela. Foto: Reprodução

LEIA TAMBÉM: Em menos de 3 horas, segundo corpo é encontrado em área de mata em Manaus

Os vizinhos relataram ainda que foi colocada uma música alta para tocar e, em seguida, escutaram fortes barulhos de espancamento, como se estivessem batendo a cabeça da mulher na parede.

De acordo com o delegada Cristiano Castilho, titular 14° Distrito Integrado de Polícia (DIP), a pericia constatou que houve lutar corporal entre Yeimy e o autor do crime.

Segundo Castilho, a mulher foi atingida por vários golpes de arma branca, principalmente na região do torax, e pegadas do suspeito ficaram marcadas no chão da kitnet, devido a grande quantidade de sangue.

“Foi constatado que houve luta corporal e que a vítima foi atingida por vários golpes de arma branca, principalmente na região do tórax e também braços, em tentativa de defesa. Devido a grande quantidade de sangue, os suspeitos deixaram pegadas, que foram coletadas pelos peritos e ajudarão a elucidar o caso”, disse.

LEIA TAMBÉM: Homem é encontrado morto em matagal na zona Leste de Manaus

Uma grande quantia de dinheiro, guardado por Yeimy e o companheiro, pode ter sido a motivação do crime, mas que não foi levada pelo autor.

“Essa quantia foi encontrada ainda na kitnet. Talvez tenham perguntado dela onde estaria e ela acabou não dizendo”, afirmou Castilho.

Segundo testemunhas, o dinheiro guardado seria usado para trazer a filha da vítima que mora na Venezuela.

O corpo da venezuelana foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML) e o caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Receba notícias do Portal Tucumã no seu Telegram e fique bem informado! CLIQUE AQUI: https://t.me/portaltucuma