Portal Tucumã
Copyright ©2022 Portal Tucumã.
Todos os direitos reservados.

13 de agosto, 2022

Vítimas de cárcere privado eram surradas com fio elétrico e pedaço de madeira

Luiz Antônio Santos Silva, que mantinha mulher e filhos em cárcere, nunca permitiu que as vítimas tivessem contato com outras pessoas
(Foto: Reprodução)

Guaratiba (RJ) – A mulher que foi mantida em cárcere privado com os filhos de 19 e 22 anos em Guaratiba (RJ), prestou depoimento à Rede Globo sobre como eram as agressões que as vítimas sofriam, causadas pelo pai dos meninos.

A mãe relatou que o homem utilizava fios e pedaços de madeira para bater na mulher e nos filhos.

“Ele batia de fio e às vezes com pedaço de madeira. Ele já era bem agressivo, mas com o decorrer dos anos foi piorando as agressões. Eu ficava sem comida, sem água, apanhando, meus filhos também, amarrados, apanhava de fio e enforcava a gente também”, desabafou em matéria veiculada neste sábado (30).

De acordo com a mãe, Luiz Antônio Santos Silva nunca permitiu que algum dos três tivessem contato com outras pessoas. O suspeito foi preso em flagrante pela Polícia Civil. A audiência de custódia está marcada para este sábado (30).

Identificada como Edna, a vítima e os filhos estavam em estado de saúde tão grave, devido às péssimas condições nas quais eram mantidos, que precisaram ser internados. Os três deram entrada no Hospital Rocha Faria, na última quinta-feira (28).

A família recebeu alta nesta sexta-feira (29) e foram levados para a casa de parentes. Edna diz não saber o que fazer agora, pois saiu de casa sem nada.

Entenda o caso

Uma mãe e dois filhos foram mantidos em cativeiro durante 17 anos. O crime foi denunciado em 2020, em uma clínica da família do bairro, mas nada foi feito. Somente agora, na última quinta-feira (28), a família foi libertada. Caso aconteceu em Guaratiba, no Rio de Janeiro (RJ).

Mesmo com as autoridades sendo avisadas, o trâmite de “empurrar” o problema para outro departamento resultou em mais dois anos de sofrimento para a família.

Nesta sexta-feira (29), a Polícia Civil comunicou que a Corregedoria abriu um procedimento para apurar os motivos de ter levado tanto tempo para que algo fosse feito.

Confira a matéria completa abaixo para saber de mais detalhes.

LEIA MAIS:

Receba notícias do Portal Tucumã no seu Telegram e fique bem informado! CLIQUE AQUI: https://t.me/portaltucuma

MATERIAS RELACIONADAS